Significados e Descrições

O que é um relógio ponto?

Relógio de Ponto é um equipamento usado para controlar as horas trabalhadas de um empregado. A versão mais antiga e tradicional de um relógio de ponto é um equipamento que funciona da seguinte forma: O equipamento possui uma abertura, geralmente em sua parte superior onde é inserido um cartão de cartolina, chamado "cartão de ponto" no qual é impressa a data e a hora. Com essa operação sendo realizada por cada funcionário na entrada e na saída do seu turno de trabalho, o departamento de Recursos Humanos pode controlar o número de horas trabalhadas a cada dia. Este equipamento se chama Relógio Ponto Cartográfico.

A partir da década de 90, o relógio de ponto cartográfico foi sendo lentamente substituído por equipamentos onde o empregado passa um cartão com código de barras ou proximidade para ser identificado. O coletor armazena o número do cartão, a data e a hora em que o cartão foi lido. Essas informações são então transmitidas para um computador onde um software apropriado pode gerar diversos relatórios. Este equipamento se chama Relógio Ponto Informatizado.

Nos últimos anos, com a popularização dos microcomponentes, propagação da tecnologia importada e a miniaturização dos componentes, o relógio de ponto passou por uma nova revolução e os equipamentos passaram a utilizar a biometria de impressão digital para identificar os usuários. Com isso, práticas como a falsificação de ponto são praticamente eliminadas. Outra grande novidade é a simplicidade do serviço, onde um usuário não necessita mais trazer ou portar seu próprio cartão. Este equipamento é chamado Relógio Ponto Biométrico.

Recentemente foi divulgada uma nova regulamentação para o uso do relógio de ponto eletrônico. A Portaria Nº 1.510, de 21 de agosto de 2009, disciplina o registro eletrônico de ponto e a utilização do Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP previsto no artigo 74, parágrafo 2º da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

O que é a portaria 1.510?

A Portaria Nº 1.510, de 21 de agosto de 2009, disciplina o registro eletrônico de ponto e a utilização do Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP previsto no artigo 74, parágrafo 2º da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). As principais características desta lei são:

  • Obriga a emissão de comprovante de marcação de ponto para o empregado
  • Garante a inviolabilidade das marcações
  • Proibe todo tipo de restrição à marcação de ponto
  • Relógio ponto deve ser usado exclusivamente para registro de ponto
  • Relógio ponto deve ter memória permanente ( memória nunca pode ser apagada)
  • Somente relógios homologados pelo Ministério do Trabalho podem ser utilizados

A portaria na íntegra, bem como outros assuntos relacionados podem ser vistos em http://portal.mte.gov.br/pontoeletronico/.

Como a Millenium pode ajudar sua empresa a adequar-se a Portaria 1.510?

  • Relógio Ponto

    Adequado aos requisitos da Portaria 1.510/2009 e homologado pelo Ministério do Trabalho e Emprego. Possui reconhecimento biométrico, impressão rápida, impressora térmica, impressão de papel do durabilidade mínima de 5 anos, guilhotina para corte do papel, dois bancos de memória (MT e MRP), porta fiscal e armazenamento em memória dados do empregador e do funcionário.

  • Software Ponto Secullum 4

    Software desenvolvido pela empresa Secullum Softwares, completamente adequado às normas da Portaria 1.510/2009.

  • Relógio Ponto Cartográfico

    Para as empresas que não querem adquirir relógio ponto eletrônico, resta a alternativa de Impressão em cartão ponto, com código do usuário, data e hora.

Clique aqui e faça um orçamento

O que é controle de acesso?

Em segurança física, o termo controle de acesso consiste em permitir o acesso a uma propriedade, prédio, ou sala, apenas para pessoas ou veículos autorizados. O controle físico de acesso pode ser obtido através de pessoas (um guarda, segurança ou recepcionista); através de meios mecânicos como fechaduras e chaves; ou através de outros meios tecnológicos, como sistemas baseados em cartões de acesso ou biometria.

Com o advento da informática e eletrônica, as indústrias criaram equipamentos tais como catracas, cancelas e torniquetes que bloqueiam o acesso fisico. Estes equipamentos fazem a identificação e autenticação das pessoas ou veículos que desejam acessar através de digitação de senha, passagem de crachá de código de barras, proximidade ou biometria ( impressão digital, reconhecimento de face, íris, palma da mão ou reconhecimento de voz)

Também associado ao controle de acesso está a auditoria das informações obtidas pelo sistema, que permite monitorar o comportamento das pessoas e veículos, no que tange a tentativas de acesso não permitidas, salas mais utilizadas, horários de maior movimento, etc...

O que é biometria?

Biometria bio (vida) + metria (medida) é o estudo estatístico das características físicas ou comportamentais dos seres vivos. Recentemente este termo também foi associado à medida de características físicas ou comportamentais das pessoas como forma de identificá-las unicamente. Hoje a biometria é usada na identificação criminal, controle de acesso, etc. Os sistemas chamados biométricos podem basear o seu funcionamento em características de diversas partes do corpo humano, por exemplo: os olhos, a palma da mão, as digitais do dedo, a retina ou íris dos olhos, a voz. A premissa em que se fundamentam é a de que cada indivíduo é único e possuí características físicas e de comportamento (a voz, a maneira de andar, etc.) distintas.

Os tipos de biometria são:

  • Veias: confiabilidade média , difícil de defraudar, alto custo.
  • Impressão digital: método mais rápido, confiabilidade alta e baixo custo.
  • Reconhecimento da face: menor confiabilidade , rápido e de baixo custo.
  • Identificação pela íris: muito confiável, imutável com o passar dos anos, alto custo.
  • Reconhecimento pela retina: confiável, imutável, leitura difícil e incómoda na medida em que exige que a pessoa olhe fixamente para um ponto de luz, alto custo.
  • Reconhecimento de voz: menos confiável, problemas com ruídos no ambiente, problemas por mudança na voz do utilizador devido a gripes ou stress, demora no processo de cadastramento e leitura, baixo custo.
  • Geometria da mão: menos confiável, problemas com anéis, o utilizador precisa de encaixar a mão na posição correcta, médio custo.
  • Reconhecimento da assinatura: menos confiável, algumas assinaturas mudam com o passar do tempo, também há problemas na velocidade e pressão na hora da escrita, médio custo.
  • Reconhecimento da digitação: pouco confiável, demora no cadastramento e leitura, baixo custo.
  • Tecnologias futuras: odores e salinidade do corpo humano, padrões das veias por imagens térmicas do rosto ou punho, análise de DNA.

O que é catraca?

Uma catraca, ou roleta, é uma espécie de "portão" que permite a passagem de apenas uma pessoa por vez permitindo o controle de acesso a ambientes restritos. Catracas são normalmente utilizadas para controlar a entrada e a saída de pessoas em edifícios, empresas ou eventos. Um uso bastante conhecido de catracas é o controle de acesso a um estádio de futebol. Catracas também são largamente utilizadas para controlar o fluxo de pessoas no sistema de transporte público.

O nome "catraca" se originou do dispositivo mecânico controlador do giro do equipamento.
As catracas puramente mecânicas são cada vez menos usadas e estão sendo substituídas por catracas eletrônicas. As catracas eletrônicas incorporaram diversos recursos tais como leitores de cartões, leitores biométricos para identificação dos usuários e principalmente uma área de memória a fim de armazenar essas informações de entrada e saída.

Com o recurso de identificação as catracas eletrônicas podem também selecionar os usuários que podem acessar determinado ambiente, bem como o horário em que estes acessos são permitidos.

O que é CFTV?

Circuito fechado ou circuito interno de televisão (também conhecido pela sigla CFTV; do inglês: closed-circuit television, CCTV) é um sistema de televisão que distribui sinais provenientes de câmeras localizadas em locais específicos, para um ou mais pontos de visualização.

O sistema do circuito interno é na sua versão mais simples constituido por câmera(s), meio de transmissão e monitor. Inicialmente sendo um sistema analógico, o CFTV transmitia as imagens das câmeras por meio de cabo coaxial para monitores CRT (analógicos). Esta transmissão era e é apenas destinada a algumas pessoas, pelo que se trata de um sistema fechado. O facto de ser um sistema fechado e a captura e transmissão das imagens ser de acordo com os conceitos e formatos da televisão analógica conduziu à sigla CFTV.

Os circuitos internos encontram-se em estado de grande evolução, seja em termos de tecnologia, seja em termos aplicacionais. Em termos tecnológicos, é hoje possível ter o sistema todo em formato digital, usufruindo das mais valias da era digital. Em termos aplicacionais o circuito interno de televisão já não é apenas um sistema simples de monitorização de segurança, tendo evoluído para áreas como o reconhecimento facial, reconhecimento de matrículas, vigilância rodoviária etc...

O sistema de circuitos internos não é aplicado somente com propósitos de segurança e vigilância, também é utilizado em outras áreas como laboratórios de pesquisa, em escolas, empresas privadas, na área médica, pesquisa e monitoramento de fauna e flora, monitoramento de relevo, condições climáticas, controle de processos assim como nas linhas de produção de fábricas. Algumas destas áreas não utilizam a designação CFTV.